quarta-feira, março 2

É Turismo ou Cultura?

Parece fácil de responder...
Depois de divulgações de lá, reclamações de cá, cobranças e coisa e tal,
a briga segue boa em Recife.
Ontem inclusive, parte de um prédio da Conde da Boa Vista desabou.
Sim, a cidade está um caco, literalmente caindo aos pedaços.
Não sei como é possível atrair turistas, para um lugar imundo,
sem saneamento, com calçadas completamente deterioradas,
com crianças sendo exploradas sexualmente por "turistas"
e suas redes de apoio locais, com pedintes por todos os lados,
com esta iluminação pública com cara de boate,
com uma multidão de pessoas abandonadas a própria sorte
vagando pelas ruas.
Ou seja, problemas não faltam . O governador poderia entregar
o problema do saneamento para a empetur,não acham?
Os turistas, creio eu ficariam mais felizes em andar numa cidade
que não é um esgoto a céu aberto.
Ou quem sabe se a empetur não poderia recolher o lixo
das calçadas? Acredito que os turistas também ficariam
felizes em andar em calçadas limpinhas e cheirosinhas e kabum!
Esqueci o problema dos buracos que também poderiam
ser resolvidos pela empetur. Assim os turistas
não cairiam neles e não sairiam daqui com uma péssima
impressão.
A dúvida porém, persiste. É turismo ou cultura?
Calçadas esburacadas, ruas mal iluminadas, mendicância,
exploração sexual, abandono, exploração do trabalhador
da cultura, são ativos turisticos ou apenas culturais
que temos a oferecer?
A persistência destes problemas na cidade, sua presença constante,
a indiferença quase generalizada, também são parte de nossa cultura?
É ótimo que os artistas briguem por seus direitos,
mas quais são os seus direitos mesmo?
Cachê decente e receber em dia é só o começo gente boa.
Os problemas ideologicos por trás desta decisão
entre cultura e turismo, não deve sumir de vista.
Foi muita discussão sobre política cultural,
muitas conferências (um fetiche?). Governo do estado
e prefeitura apresentam seus planos de cultura
para dez anos, cem anos, mil anos. Muito papel,
muita conversa e o inferno cheio de boas intenções.
Quem lucra com o carnaval?
Quem lucra com o carnaval?
Quem lucra com o carnaval?
Pois é, as agremiações tem direitos sobre suas obras?
Se vc se utiliza de uma manifestação popular ou outra
para encher o seu resort, sua pousada, seu hotel,
vc não deveria devolver parte dos ganhos para a
manutenção dos artistas, blocos, bandas,troças
que a rigor são o que leva os turistas para seu resort,
pousada, hotel?
Ou é só chegar, roubar as plantas medicinais dos "índios",
levar para a suiça, fazer medicamentos, ganhar rios de dinheiro
e depois cobrar dos mesmos "índios"?
O carnaval é uma manifestação do nosso povo, para o nosso povo,
onde os turistas são convidados. A empetur não deve esquecer disto.
Nós não somos micos leões dourados em exposição num zoo.
Micos leões dourados tem hífen? Deixa pra lá que não me importo
nem um poco com "acordos ortográficos".
Não tenho nada contra turistas, mas depois que se criou esta
ilusão de que o turismo é tudo e redime economicamente
todas as cidades ( uma coisa realmente folclórica),
os fazedores de dinheiro, não querem nem ouvir falar dos
problemas que acompanham o turismo.
A imensa exploração dos recursos locais, que muitas vezes
são escassos, a exploração sexual de crianças e adolescentes
uma progressiva alienação da população quanto
aos seus bens imateriais.
A adaptação farsesca destes bens para que fiquem palataveis,
politicamente corretos, limpinhos como camarote vip.
É boneco que não diz palavrão, é maracatu sem santo, sem ritmo
sem povo, sem suor.
A convivência com o outro, com o turista, com o baiano, com os gregos
não se dá a custa de adaptações feitas para agradar,
para mostrar o quanto estamos no caminho da civilização.
Ela também não rejeita o diferente, nem mesmo o opositor.
É cada um sendo o que é.
Se Pernambuco não é Bahia, se Bahia não é Rio de Janeiro,
se Rio, não é São Paulo, se Sampa não é Floripa, não vamos falsear.
A cultura é o fundamento de uma civilização, é a própria civilização.
O turismo é só negócio mesmo e quem disser outra coisa pra vc
provavelmente está mentindo.
Há maneiras e maneiras de se fazer negócio.
Há economias mais justas e outras que exploram até o osso.
Pensar direitos, dos artistas, dos pedintes, dos abandonados, do público.
Pensar custos, da criação, da divulgação, da fruição.
Pensar quem fica com o encantamento, com a fama, com o dinheiro
com a carreira política bem posicionada.
Pensar no saneamento, no rio, nos peixes, nos ribeirinhos,na natureza.
Pensar no outro sem abdicar de si mesmo.
Pensar é livre embora alguns estejam morrendo de medo.

eliasmouret

Um comentário:

blogdosamuca disse...

Estava lendo agora os grupos que não foram chamados para compor a grade carnaval de Pernambuco e fico abismado. Primeiro é que essas pessoas realmente fazem o carnaval é a diferença. O nosso carnaval ele é conhecido por conta de um siba e Fuloresta , Cascabulho,Quinteto Violado, Conxitas, Maciel Salu,João do Pife,Maracatu Porto Rico, Antulio Madureira. Orquestra da Bomba do Hemeterio, Aurinha do Coco, Fim de Feira.. Enfim. Tanta gente boa que não cabe aqui. E vejam bem a maioria que citei aqui tiveram a pontuação máxima: 10! A FUNDARPE se redimiu e vai chamar os grupos que tiveram a pontuação acima de 8.
O movimento dos músicos adiantou, valeu à pena. E outras áreas por que não fazem isso. Não se juntam? Quem ganha? A cultura, na suas formas genuínas seus artistas na sua criação poética e estética. Abçs