sexta-feira, novembro 5

sem título*

minha resposta é sim
é não, é às vezes, é também...
mas é só no aqui e agora, neste peso leve que é viver do presente
amigos, não sei quando voltarei a falar como antes
não sei quando voltarei a falar
se voltarei a falar
de não desejos quase realizados
e de desejos inúteis
assombrações de uma vivi velha
de uma velha vivi
meus amigos me chamam de nanã
meu terapeuta me chama de criança
...
esperança, sempre esperança

e vamos em frente na jornada
mais além, sempre mais além!


*especialmente aos trupianos

2 comentários:

Valzita disse...

Caminante no hay camino
Se hace camino al andar

Diário de bordo disse...

Essa mistura de nanã e criança é mesmo bem interessante!