terça-feira, agosto 17

Grandes e Pequenas Esperanças!

É noite! Estou caminhando pela cidade, pelas pontes, observando as pessoas, os prédios,calçadas. Há quem ache um perigo enorme caminhar pela cidade.
Sim, há perigos na esquina...
Os prédios horríveis, mal cuidados se levantam por todos os lados, como se esperassem o momento certo para desabar.
Vão se transformando em ruínas, inacabados.
É impressionante ver como o centro de Recife tem predios inacabados,parecem sobras de guerras, de lutas do passado.
Um passo à frente e estamos no mesmo lugar, na lama, no caos.
A esquina aproxima-se cada vez mais de todos nós. São as coisas que caminham aqui.
As pessoas desistiram.
Construimos ideias para justificar a nossa condição,
não para mudá-la...
tudo vira folclore,poesia, cinema de miséria,tese e dissertação.
Mendigos, abandonados de toda espécie, doentes mentais, lutam contra Charles Darwin em nossas calçadas e ruelas...
As calçadas. Ah, as calçadas. Motivo de reuniões nas assembléias,
não mudam nunca.
São como um dogma da igreja católica, um paredão contra a fé.
Elas são um anuncio tenebroso de que sempre podemos nos descuidar, cair no abismo, quebrar o nariz. Talvez seja bom alguém fazer um roteiro sentimental pelos buracos das calçadas de Recife.
O lixo, o reciclável, o descartável, a sobra,o resto... uma montanha se forma em frente as lojas e casas. Os papeis,os "santinhos' o folder da peça, nada fica imune.
Os barquinhos e o catamarã...
quem dera viajar toda a cidade em rios limpos.
Todo o esgoto é Capibaribe, desaguando no mar, e o mar não transborda.
Quanta paciência tem o mar.
A ciclovia vai funcionar aos domingos, num horário absolutamente besta.
Prima-irmã da Dantas Barreto, leva nada a lugar nenhum.
Passei por doze câmeras de vigilância e elas não perceberam o que eu tramava, o que ia pela minha cabeça.
As câmeras enxergam no escuro, penso eu, já que a escuridão toma conta de quase tudo. São as mesmas usadas nas guerras, para ver o inimigo. Infravermelho?
Há quanto tempo não vejo meus amigos?
Faz tanto tempo que não jogo futebol, acho que não estou preparado para a copa.
Ouvir dizer que os empreiteros já estão se masturbando...
pensando no dinheiro público, este sensual.
Os canos enormes, seguem as avenidas e desaguam seu xixi na rua da Aurora.
Saneamento, este eterno incompreendido das campanhas marqueteiras...
Não dá voto, dizem.
Um ventinho bom e penso em energias renováveis.
Temo me repetir, cansar, me tornar enfadonho. A mesma conversa na mesa do bar.
Arrancaram todas as pedras da rua Tomazina, choque de gestão?
Mica, por favor, baixe o preço da macaxeira.
Os Hippies chegaram. A menina quer me vender novamente umas pulseiras.
Um deles quer vender a um amigo... eu digo que acho que ele não quer.
O Hippie diz que tenho uma energia muito negativa.
Comprei o Bhagavad Gita, na livraria cultura.
Muitas pessoas, livros, samba e o tráfico de drogas do Recife antigo.
Recife esta realmente muito antigo, uma província.
A fala mais interessante hoje é do Muda,
também gosto de outros lugares onde conheço os garçons e garçonetes.
Isto é fundamental.
Da Conde da Boa Vista até a praça Maciel Pinheiro, eu gostaria que fosse um passeio público, sem aquele banheiro imundo perto do teatro do Parque.
E os carros?
Chegou o carro da assistência social, um novo modelo. As pessoas agora são tratadas como pessoas, os sobreviventes de Charles Darwin.
Eles não serão escondidos de maneira fascista,
para que possamos receber os turistas pra copa.
Ou serão? tudo ficará para depois?
Não queremos pelourinhos aqui.
O catamarã passou novamente...
De catamarã para a várzea R$ 1,85
De catamarã para Olinda R$ 1,85
De catamarã para poço da panela R$ 1,85
Volto pela ponte e encontro o teatro de Santa Isabel...
Um homem pesca na ponte, rio lindo, puro e cristalino
Peixe,deixa eu ver o peixe.
Santa Isabel rogai por nós
São Luis rogai por nós
Arjuna está entre os seus familiares.
"Quando uma tribo se corrompe,perece a piedade
e com ela perece o povo, a impiedade é contagiosa".
Muitas pessoas belas, muitas pessoas belas...
Impiedade,indiferença,os perigos se apresentam.
Ande hoje pela cidade despretensiosamente...
ao contrário do que dizem
ela não é tão perigosa assim.
Divaguei mais do que gostaria, minha cabeça sempre foge dessa maneira.
As pontes são as coisas que mais me agradam na cidade.

eliasmouret

Nenhum comentário: