domingo, dezembro 7

Parábola !

No princípio era o verbo!
Era um mar de pedregulhos, todos seguros de si
fincados na areia, imutáveis.
Há quem diga que eram dogmas católicos
e as pessoas acreditavam...
"Creio porque absurdo"!
Tão na areia fincados como barro
que não davam conta do vento
e se desfaziam em juízos.
Por entre as frestas, entulhos e um conjunto de sons
zumbindo, latindo, rangendo...
conjuntos vários, complexos,
frágeis, como que nascidos de um sonho.
Balançando ao vento,
comungavam com tudo que se desmancha
eram feitos de humor e de açucar.
Das bocas escancaradas,
acostumadas a mal-dizer, mal-querer, mal-beijar
uma única palavra escapa: Blasfêmia!
_ Chamem a Inquisição! Gritou o cardeal,
cercado de leões de fraque.
Um filhote de leão discordou do pai.
O pai eterno coçou a cabeça...
era um mar de pedregulhos
cercado de poesia.
E no princípio era o verbo, que não vivia sozinho!

elias mouret

Nenhum comentário: